Força Feminina Colorada

A Força Feminina Colorada, torcida exclusivamente feminina, foi criada há oito anos com o objetivo de apoiar o time e acompanhá - lo.
Desde então, fazemos a festa na arquibancada!
FFC, Representatividade, Empoderamento e Paz no Futebol!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Destaque no mundo esportivo colorado


Na noite de terça-feira (06/12), a presidenta da Força Feminina Colorada, Malú Barbará, junto com integrantes da torcida, recebeu o troféu Arquibancada Colorada, homenagem feita aos destaques do esporte no Rio Grande do Sul. A festa, uma promoção do Blog Arquibancada Colorada, foi realizada no Clube Geraldo Santana.

Malú recorda a fundação da FFC, ocorrida em 24 de maio de 2009, no ano do centenário do clube, com o intuito de reuir as apaixonadas pelo colorado para torcerem e incentivarem o time.

- Desde então, é isso que fazemos, independente das condições do tempo, em Porto Alegre ou em muitas outras cidades, em jogos de estádio lotado e em jogos com pouco público. No início, éramos poucas e as dificuldades, enormes. Hoje temos cerca de 120 mulheres cadastradas e muitas simpatizantes. Os obstáculos ainda existem, mas aprendemos a ultrapassá-los e, quando isso não é possível, os contornamos - destaca a presidenta da FFC.

Malú destaca ainda o novo projeto da torcida: a sua própria banda, cuja estreia ocorreu no dia 13 de março no Gigante da Beira Rio. A iniciativa apresenta ainda um aspecto social, o "Tocando para o futuro" que tem como objetivo unir futebol e música e tornar melhor a vida de adolescentes de escolas públicas de comunidades.

- Novamente, fomos à luta: desde julho, cerca de 15 adolescentes estão aprendendo a tocar instrumentos para, talvez, fazer da música o seu ganha-pão. Além de ensinar música, também nos encarregamos da alimentação e do transporte desses jovens. Felizmente, já conseguimos patrocínio para as camisetas da banda. - comenta.

Malú reforça, ainda, que a Força Feminina Colorada é a única torcida organizada feminina reconhecida pelo Internacional e por um clube no Rio Grande do Sul e pelo Ministério Público gaúcho. Também foi a segunda TO formada por mulheres a ser fundada e reconhecida no Brasil.


sábado, 26 de novembro de 2016

Eu Sempre acreditei!

Por Malú Barbará

Acreditei não só nos tempos de glória, também acreditei – e estava lá – nos dias de sofrimento: frio, chuva, calor extremo, estádio em obras, descrédito e derrota....

Acreditei – e estava lá – na década de 90!

Acreditei – e estava lá - em um dia quente de carnaval, em que jogamos pelo Gauchão num Beira-Rio vazio com sensação térmica nas alturas.

Acreditei – e estava lá – num dia de frio e chuva no inverno quando, encharcadas, não sentíamos pés e mãos.

Acreditei – e estava lá – quando só se ouviam cânticos colorados no Olímpico e na Arena.

Acreditei – e estava lá - durante todo o tempo em que nossa casa estava sendo reformada e jogávamos em Caxias. Embarcávamos no ônibus pela manhã, fazíamos churrasco na praça e esperávamos sentadas na grama até a hora do início do jogo. No final, esgotadas, ônibus e mais estrada até Porto Alegre.

Acreditei – e estava lá – quando marcamos oito gols no Juventude! Quando ganhamos de Pumas, Emelec, Cerro, Deportivo Quito, Banfield, São Paulo, Chivas!

Acreditei – e estava lá – quando ganhamos a Recopa.

Também acreditei - e estava lá – nos momentos ruins de nossa história, que como todas não é feita apenas de vitórias!

Acreditei e acompanhei e vibrei e cantei. Por que deixaria de fazer tudo isso logo agora?

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Pra cima deles, Inter!

Por Daiane Barbosa


Vamo vamo inter ! Inter estarei sempre contigo onde estiver. Pra cima deles meu inter... meu amor por ti é maior que tudo. Inter hoje e sempre. Te amo inter...

Não te abandonaremos nunca!

Por Rosita Buffi


Somos um só. Não importa as diferenças ou as discussões. Não importa que lado estamos, se na arquibancada ou em campo. Somos um só! Um grito, um lamento, uma canção, um hino de glórias. Somos aqueles que nunca abandonam. Aqueles que vão a todos os jogos, na chuva, no sol, no frio, calor... somos o vento que varre as cadeiras do Gigante antes dos jogos, o papel picado que fica ao chão depois das comemorações de gol! Não te abandonaremos nunca! E agora com toda a força que nos resta te apoiaremos até a morte, porque tu é Inter! É a nossa casa. Nossa família. Nosso  amor. Força Feminina Colorada. Sempre e sempre apoiando!


A paixão nunca vai acabar

Por Elaine Schimitt


INTER!

Esteja onde estiver... com você sempre vou estar... porque minha paixão nunca vai acabar!



terça-feira, 22 de novembro de 2016

Eu acredito em ti, Inter!


Por Francine Malessa

Eu sou péssima com números. Tão péssima que mal sei fazer contas simples. Mas nos últimos tempos, em especial nesta última semana, eu tentei fazer a pazes, com a calculadora, é lógico. Meu time tem 10% de chances de não cair para a série B. Mas o que são 10% perto de toda a história do Inter? Sempre foi sofrido, não é mesmo?

Quando eu comecei a entender quem eu era na vida e do que se tratava o futebol, eram meados da década de 90. Década de 90 vocês lembram, né? Agora imaginem uma criança que em uma turma de 30 alunos, contava no máximo com mais dois colorados. De resto, todos gremistas, que nunca perdoavam na corneta. Foram anos de “bullying”, tanto na escola quanto na família. Lembro vagamente da história com o Paysandu, porque pedi pro meu pai explicar o que estava acontecendo porque a zoeira tava demais.

Minha adolescência contou com mais alguns anos de sofrência. Mas então, veio um cara chamado Fernando Lúcio da Costa, que chegou marcando o gol mil em grenais. No auge dos meus 13 anos, eu ainda nem imaginava as alegrias que estava por viver com o meu time do coração. Alegrias que depois seguiriam pelo legado de outro grande cara, Andrés D’Alessandro. Eu sempre pensei em como meu time era feliz por poder contar com dois jogadores que vestiram a camisa e apresentaram este amor pelo clube nos gramados.

Nos últimos dias é como se eu estivesse vendo um filme passando pela minha cabeça, voltando à década de 90, aos questionamentos sobre o que está acontecendo com o meu time do coração. O Internacional me proporcionou verdadeiros momentos de felicidade. Me proporcionou amizades lindas com as integrantes da Força Feminina Colorada e, agora, está testando o meu amor por ele.


Eu decidi torcer por ti em um dos seus piores momentos e tu me mostrou que seria capaz de compensar todo o sofrimento. Que valeria a pena te defender. Que valeria a pena ser fiel ao vermelho e branco. Que valeria a pena continuar tendo esperança. Portanto, não vou te abandonar. Não lembro qual era a nossa probabilidade de escapar em 2002, mas eu acredito nestes 10%. Eu acredito na grandiosidade deste clube. Eu acredito na força do Gigante. Eu acredito em ti, Inter!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Lugar de mulher?



Faz algum tempo que o debate sobre o verdadeiro lugar da mulher tem ganhado espaço e abrangência. Um dos principais motivos é que realmente a mulher está quebrando tabus e ocupando todos os tipos de espaços, em todas as esferas onde antes era impossível de se imaginar que uma figura feminina poderia estar.

Há sete anos, um grupo de mulheres acreditou que poderia ter seu próprio espaço nas arquibancadas do Beira-Rio e, assim, surgiu a Força Feminina Colorada, a nossa amada FFC. Por que afinal, as mulheres não podem ocupar o espaço que quiserem? Por uma cultura patriarcal que se estende ao longo dos anos pela humanidade?

O feminismo é um movimento que tem crescido a cada dia. E, diariamente, ouvimos mais discursos combativos à liberdade e ao empoderamento da mulher. Lembrando que as mulheres são livres para estarem onde bem entenderem, por que não na arquibancada? Porque não, em um bar? Por que não à frente de uma grande empresa? Por que não, dividindo as tarefas domésticas com os estudos?


A psicóloga e articulista Carmen da Silva dizia que empoderamento é tomar a decisão mais acertada. Ou seja, estar livre para fazer o que achar melhor para si. A FFC compactua desta opinião e, por isso, incentiva todas as mulheres, principalmente coloradas (claro que vamos puxar pelo que nos une) a ocuparem o espaço que acharem justo. Por um mundo mais feminino, no futebol, no mercado de trabalho, na ruas, onde quer que estejamos!

sábado, 28 de maio de 2016

Todas somos Vitimas! Fim da Cultura do Estupro.

Não podemos nos calar diante de tal absurdo!


Não foi um abuso.
Não foi uma brincadeira.
Não foi com consentimento.
Não foi apenas um.
FORAM 30 estupros consecutivos.


TODAS NÓS SOMOS VITIMAS!


A FFC apoia o fim da Cultura Do Estupro!



video

Nossa indignação e protesto:



segunda-feira, 4 de abril de 2016

O protagonismo das coloradas



O nosso amado Sport Club Internacional tem na sua essência, ações de inclusão social. Isto vem com ele desde a sua fundação, tratando-se, então, de legítimo Clube do Povo. Com o passar do tempo, outras questões sociais foram ganhando força e espaço dentro do clube, como a presença de mulheres nas arquibancadas do Gigante da Beira Rio.

No dia 24 de maio de 2009, ano do centenário do Internacional, foi fundada a primeira torcida organizada exclusivamente feminina do Rio Grande do Sul, a Força Feminina Colorada. A FFC representa algo ainda maior: é a primeira torcida organizada de mulheres a ser reconhecida por um clube no Brasil.

Durante estes quase sete anos de existência, ganhamos espaço e reconhecimento entre os demais torcedores. Entre a direção, apoio incondicional para nossos projetos e iniciativas.  Foi então, no início de 2016, que colocamos em prática um grande sonho. Há tempos, a FFC percebeu que estava na hora de formar a sua própria banda e...mãos à obra! A mulherada do Inter começou a trabalhar com este propósito, junto com nossos professores e músicos de apoio.

Em fevereiro iniciamos os ensaios. No primeiro encontro, seis integrantes da torcida se fizeram presentes. Mas aos poucos, fomos crescendo. Após um mês de trabalho, com ensaios de aproximadamente duas horas, duas vezes por semana, a banda da FFC apresentou-se nas festividades pelo Dia Internacional da Mulher, realizadas no pátio do Beira-Rio horas antes do início do jogo contra o São Paulo-RG. Uma semana depois, foi a vez de estrear nas arquibancadas, fazendo vibrar os torcedores da ala norte do Gigante, na partida contra o Novo Hamburgo.

Muito além de reconhecer e reafirmar que o Sport Club Internacional é pioneiro de ações conectadas com o tempo presente, a FFC e agora a sua banda, representam o protagonismo feminino. É a quebra de paradigmas, é o empoderamento e é a equidade. Se nós mulheres já conquistamos o direito de dividir o mesmo espaço que os homens em lugares dominantemente masculinos anteriormente, nada mais justo do que seguirmos mostrando a nossa força. Esta força mesmo que vem junto ao nome da nossa torcida. A mesma força que nós mulheres buscamos e conquistamos diariamente. Que sirvamos de exemplo para as outras torcidas femininas e aos demais clubes do Brasil, porque, para o Campeão de Tudo, demos mais um título: a primeira banda feminina do Brasil é colorada!

Malú Barbará
Presidente da Força Feminina Colorada

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Força Feminina Colorada apresenta a primeira banda de torcida formada somente por mulheres

Objetivo é que as apresentações durante os jogos iniciem dentro de um mês

A batida inicial foi dada! Neste sábado, 13, a Força Feminina Colorada (FFC) deu mais um passo importante: formou a sua própria banda.  Já fazendo parte da história por ser a primeira torcida organizada feminina a ser reconhecida por um clube no Brasil, a FFC agora é também pioneira em apresentar uma banda só de mulheres.

O objetivo é que as gurias iniciem as apresentações nas arquibancadas do Beira Rio dentro de um mês, com cânticos próprios. O primeiro ensaio contou com um grupo formado por seis torcedoras: Miriam Porciuncula, Aline Lahm, Juliana de Souza Marques, Patrícia Belem, Francine Malessa e Carolina Contreiras.

- O sonho de ter uma banda própria da FFC vem amadurecendo desde o ano passado. As nossas torcedoras são responsáveis em animar o espaço que ocupamos na arquibancada, e, por que não transformar esta animação em uma banda? Queremos, além disso, incentivar o nosso time em campo. É tudo pelo nosso amor ao futebol – comenta Malu Barbará.

A iniciativa tem, ainda, uma representação social. Os ensaios serão abertos a crianças e adolescentes de até 14 anos, desde que comprovem estarem matriculadas regularmente em uma escola. Esta é mais uma característica da FFC, que busca sempre desenvolver projetos que agreguem cada vez mais a sociedade.

Os ensaios ocorrem todos os sábados à tarde – quando não houver jogos – dentro do Beira Rio. O projeto é uma iniciativa da FFC, através da sua presidente Malu Barbará, e conta com o apoio do Internacional. Os ensaios são coordenados por três músicos, Vitor Antunes, Jaderson Crescêncio e Edymilson Drebes.